Depois de anunciar os três indicados ao prêmio de Melhor Armador do Quinteto Ideal da sétima edição do NBB, a LNB anunciou, nesta quarta-feira, os seis candidatos aos dois troféus de Melhor Ala da competição. São eles: Alex Garcia , Robby Collum, David Jackson, Léo Meindl, Marquinhos e Shamell.

Dentre os indicados, três deles já faturaram a taça da categoria em suas trajetórias no NBB. Alex Garcia ganhou o prêmio nas quatro primeiras edições do maior campeonato do país, enquanto que Marquinhos levou o troféu de melhor lateral para casa nas últimas quatro temporadas. David Jackson é outro que foi nomeado entre os dois principais alas no ano passado, juntamente dos prêmios de MVP e Melhor Estrangeiro.

Para completar os integrantes do Quinteto Ideal do NBB 7, a LNB ainda anunciará os seis candidatos aos dois prêmios de Melhor Pivô do campeonato nos próximos dias. A premiação faz parte do calendário anual da eleição dos Melhores do Ano do NBB, que também premiará Destaque Jovem, Melhor Defensor, Sexto Homem, Melhor Atleta Estrangeiro, Jogador que Mais Evoluiu, MVP.

A votação dos indicados a melhores do ano contou com a participação de técnicos, assistentes e capitão das 16 equipes que disputaram a sétima edição do NBB, além da imprensa especializada, personalidades do basquete brasileiro, comissários e árbitros. Os vencedores dos troféus de todas as categorias serão conhecidos no dia 08 de Junho, na Festa de Premiação dos Melhores do NBB 7, que será realizada em São Paulo – SP.

Ganhador do prêmio nas quatro primeiras edições do NBB, Alex Garcia pode voltar a levantar o troféu de Melhor Ala da competição depois de duas temporadas sem estar entre os melhores. Depois de seis temporadas no UniCEUB/BRB/Brasília, o “Brabo” se transferiu para o Paschoalotto/Bauru e vem fazendo uma grande temporada.

Com médias de 14,7 pontos e 5,5 rebotes e 4,2 assistências por partidas, o ala de 34 anos foi um dos principais destaques da histórica campanha do líder na primeira fase da competição. Além de estar entre os melhores alas, Alex também defender o título de Melhor Defensor, prêmio este que só ele venceu em toda a história do NBB.

Marquinhos tentará vencer o prêmio pela 5ª vez seguida Fotos: Luiz Pires/LNB
Marquinhos tentará vencer o prêmio pela 5ª vez seguida
Fotos: Luiz Pires/LNB

Outro que também foi quatro vezes eleito o Melhor Ala do NBB é Marquinhos, do Flamengo. O ala de 2,07 faturou o prêmio nas quatro últimas temporadas e aparece como forte candidato a mais um prêmio na categoria. Em seu currículo, o atleta de 30 anos também possui um troféu de MVP da temporada 2012/2013, quando conquistou seu primeiro título nacional com o time carioca.

Com médias de 16,1 pontos e 4,5 rebotes por partida, Marcus Vinícius Vieira de Souza vem sendo o principal destaque do clube da Gávea na atual temporada e teve papel fundamental para levá-lo a terceira Final de NBB consecutiva. Aliás, desde que chegou ao esquadrão rubro-negro, o atleta chegou à todas as decisões nacionais e ganhou os dois títulos que disputou, NBB 5 e 6.

Fotos: Brito Júnior
Fotos: Brito Júnior

Eleito Melhor Ala da temporada passada ao lado de Marquinhos, além de faturar também os troféus de MVP e Melhor Estrangeiro do NBB, o norte-americano David Jackson está em sua terceira temporada no basquete brasileiro, a segunda com a camisa da Winner/Limeira. O jogador de 32 anos também está na briga pelo prêmio de Melhor Estrangeiro da competição, contra Shamell, do Mogi das Cruzes/Helbor, e Jamaal Smith, do Macáe Basquete.

Natural de Maryland, Jackson foi o principal jogador da equipe limeirense, vice-líder da fase de classificação, na atual temporada e somou médias de 16,6 pontos, 3,7 rebotes e 3,2 assistências por partida, além de um aproveitamento de 40% nas bolas de 3, 55,1% nos tiros de 2 e assombrosos 94,8% nos lances livres, o melhor desta edição do maior campeonato do país.

Léo Meindl é o mais jovem candidato na disputa pelo troféu de Melhor Ala  Fotos: Newton Nogueira
Léo Meindl é o mais jovem candidato na disputa pelo troféu de Melhor Ala
Fotos: Newton Nogueira

Mais jovem dentre os indicados, Léo Meindl, de 22 anos, do Franca Basquete, foi um dos seis alas mais votados ao prêmio. Natural da própria Franca, o ala de 2,00m foi o vencedor do troféu de Melhor Sexto Homem da temporada 2013/2014 do NBB e agora está em busca de mais um troféu individual em sua ainda curta carreira.

Um dos principais pilares da equipe da Capital do Basquete, Léo fechou sua participação na temporada 2014/2015 como cestinha de seu time, com média de 15,7 pontos por partida. Nas dez partidas que fez nos playoffs – cinco contra o Palmeiras/Meltex nas oitavas e cinco contra o Bauru nas quartas de final – com média de 13,5 tentos por jogo.

Dono do troféu Oscar Schmidt de cestinha do NBB 6 e maior pontuador também desta edição, o norte-americano Shamell vem fazendo uma das melhores temporadas de sua carreira no Brasil. Dono da média de 20,3 pontos por jogo, o camisa 24 do Mogi das Cruzes/Helbor concorre também ao prêmio de Melhor Estrangeiro da competição ao lado de Jamaal, do Macaé, e David Jackson, do Limeira.

Maior cestinha da história do NBB, com 4728 pontos, o atleta, que atua no Brasil há 11 anos, registrou dígitos duplos na pontuação em 35 dos 38 jogos que disputou na atual temporada, sendo que em 22 delas o jogador anotou 20 pontos ou mais. Shamell está em busca de seu primeiro troféu individual por eleição em sua trajetória no maior campeonato do país.

Destaque do Minas, Collum é um dos concorrentes ao prêmio Fotos: Orlando Bento/Minas T.C.
Destaque do Minas, Collum é um dos concorrentes ao prêmio
Fotos: Orlando Bento/Minas T.C.

Completando a lista de norte-americanos entre os postulantes ao prêmio da Melhor Ala está Robby Collum, do Minas Tênis Clube. O jogador, que defendeu as cores do rival Unitri/Pilhas Energizer por três temporadas, 2010/2011, 2011/2012 e 2012/2013, ficou um ano longe do basquete brasileiro e retornou para ser o principal destaque do clube da capital mineira na sétima edição do NBB.

O experiente ala/armador de 34 anos foi o líder da garotada minastenista e encerrou sua participação no campeonato com médias de 13,4 pontos e 3,7 assistências por partida. Sob o comando de Collum, o Minas foi o quinto colocado na fase de classificação, no entanto, uma lesão o tirou dos playoffs e o esquadrão do técnico Demétrius caiu nas oitavas de final para o Macaé Basquete.

É isso!

Comentem e Compartilhem!
Até+

Diego Silver

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.