Os playoffs de Orlando marcaram a consolidação do jogador como líder absoluto do Miami Heat

Se as ruas fossem sua cama por algum tempo, como você seria nas quadras?

Look
If you had
One shot
Or one opportunity
To seize everything you ever wanted
In one moment
Would you capture it
Or just let it slip?

(Eminem – Lose Yourself)

Ei, se você tivesse uma chance, ou uma oportunidade para ter tudo o que você sempre quis em um momento: você a pegaria, ou deixaria escapar?

Já conhece o canal do Área Restritiva no Youtube? Clique e se inscreva

Jimmy Butler agarrou com unhas, dentes e pernas a única chance que teve, em sua adolescência, para não se tornar mais um nas estatísticas de abandono no panorama cruel dos sem-teto nos Estados Unidos. Criado sem pai e expulso de casa por sua mãe aos 13 anos, dormiu nas ruas do bairro até que um colega da escola ofereceu o sofá de casa para que dormisse pelo menos por uma noite. 

A regra do lar de Jordan Lambert era clara: ele e os seis irmãos podiam trazer um amigo pra casa todos os dias. Cada um tinha esse direito uma vez por semana, e o que ocorreu mudou a vida do menino nascido em Houston, Texas. Todos escolhiam Jimmy como “o amigo da vez”, e foi assim que seu destino nas quadras passou a ser traçado.

Quando Michelle Lambert, mãe de Jordan, viu que Butler praticamente morava em seu sofá, resolveu torná-lo afetivamente mais um membro da família, e junto com o amor e a convivência familiar vieram os acordos. Para continuar a morar com a família Lambert, ele precisaria melhorar o desempenho na escola, cuidar da casa junto com todos e ser um exemplo para as outras crianças

+Leia também! 25 anos de Pat Riley e o Heat Culture

Nas redes sociais de Butler é possível encontrar, no Dia das Mães, fotos com sua genitora biológica, e claro, com Michelle. O fato de (aparentemente) ter perdoado Londa Butler nos ajudaria a construir a narrativa do herói que, ao superar as mazelas do abandono, encontrou dentro das quatro linhas redenção, perdão e sucesso.

Mas Butler não quer, de maneira alguma, ser digno de pena, como declarou ao site da ESPN: “por favor, sei que vão escrever sobre meu passado. Mas peço que não o façam de uma maneira que cause tristeza nas pessoas. Odeio isso. Não há nada aqui para sentir pena. Eu amo o que aconteceu comigo, pois me fez ser quem sou. Sou grato pelos desafios que enfrentei. Por favor, não façam com que as pessoas tenham pena de mim.”

A convivência com a família Lambert fez com que Jimmy completasse seus estudos na escola e chegasse à universidade. Após passar por duas delas, Tyler JC e Marquette, Butler foi escolhido no draft pelo Chicago Bulls em 2011. 

Depois de 6 anos foi trocado para o Minnesota Timberwolves, onde permaneceu por apenas um ano, mesmo espaço de tempo que jogou depois no Philadelphia 76ers, em um time que contava com Joel Embiid, JJ Redick, Ben Simmons, mas que não tinha o que Jimmy Butler procurava numa equipe: liderança. 

Jimmy Butler, está com fome. Mas agora a fome é outra!
Jimmy Butler: liderança consolidada no Miami Heat. Foto: Divulgação/NBAE

Em um dos episódios do podcast de Redick, Butler desabafou com o amigo e ex-companheiro de time sobre o assunto. Relatou sessões de vídeo onde, segundo ele, apenas escutava o som do “clic, clic” do controle remoto durante a exibição dos lances das partidas anteriores, e quando as luzes da sala acendiam, ninguém falava – os jogadores seguiam direto para atividades físicas. Butler foi enfático na entrevista quando citou uma ocasião onde perguntou ao veterano Redick “quem mandava naquela equipe”.

Por isso que a chegada ao Miami Heat deu a ele o elemento que buscava há anos: compromisso sério com resultados e a figura de um líder. E Butler nem precisou seguir um, pois ele foi, aos poucos, sendo a figura forte que desde a temporada regular vemos no Heat. 

Há muito tempo Butler já estava no radar do time, quando ainda vestia a camiseta do Minnesota Timberwolves. E antes de ser negociado para o Philadelphia 76ers, quase foi parar nas terras quentes da Flórida, porém Tom Thibodeau, que acumulava os cargos de técnico e de presidente de operações de basquete do Timberwolves, no último momento desistiu da negociação. O fato virou uma lenda na NBA, pois um furioso Pat Riley bateu o telefone na cara de Thibs, xingando-o de “f**** da p***”.

A raiva de Pat Riley por não ter, naquele momento, trazido o jogador para seu plantel pode ser explicada com o atual desempenho de Butler nos playoffs. No jogo 3 contra o Milwaukee Bucks anotou 30 pontos e dividiu os louros da vitória com toda a equipe do Heat. “Não estou surpreso. Acho que qualquer pessoa no mundo deve estar, mas não nós. Se você for um jogador, um de nossos técnicos ou parte da organização você teria visto o que fizemos durante todo o ano. Isso não nos causa surpresa”.

E na noite da última terça-feira (8), vimos o jogador líder de uma equipe que despachou para casa o fortíssimo Milwaukee Bucks, que deteve a maior quantidade de vitórias na temporada regular. Graças a Butler, com seus 17 pontos e 10 rebotes, e seus companheiros, o Miami Heat avança para a final da Conferência Leste. 

Isso prova que Jimmy Butler ainda tem fome. Mas dessa vez, felizmente, é de bola.

O Área Restritiva está no YouTube, conheça o nosso canae se inscreva.

Já imaginou um grupo para discutir Basquete como se estivesse em um bar? Conheça o Bar do Área!

Fique por dentro do que está acontecendo no Área em nossas redes sociais; marcamos presença no FacebookInstagram e no Twitter. Ah! Também estamos no Catarse, aqui você conhece todo o projeto do Área Restritiva.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.