Jogador e time buscam seu espaço de formas diferentes em momentos semelhantes

Narrativas esportivas nem sempre são felizes, ou 100% felizes. Em sua maioria, há superação antes, durante ou depois da profissionalização e da realização do sonho de ser atleta. Carmelo Anthony é uma dessas narrativas difíceis, onde teve habilidade e foco questionados diversas vezes. Agora, na “bolha” da NBA, ele tenta mostrar o que ainda pode fazer após anos sofrendo na liga.

Já conhece o canal do Área Restritiva no Youtube? Clique e se inscreva!

Alguns passos errados na carreira, péssimas orientações, um pouco de indisciplina, lesões, recordes de pontuação na NBA, etc. Relações são complexas e na melhor liga de basquete do mundo isso é ainda mais difícil de lidar. Isso porque um passo em falso pode comprometer toda a carreira de um atleta, mas há a chance de reconhecer o erro. No entanto, alguns atletas repetem o erro, e repetem, e repetem. E, então, temos Carmelo Anthony.

CARMELO ANTHONY

Nascido em 29 de maio de 1984, no Brooklyn em Nova York, Carmelo Anthony é um jogador que atua como ala. Antes de virar profissional, ele defendeu a Universidade de Syracuse na temporada 2002-2003. Por lá, jogou 35 partidas e liderou a equipe ao seu primeiro título na NCAA com médias de 22.2 pontos, 10 rebotes e 2.2 assistências. No ano seguinte, Melo chegou à NBA. Terceira escolha geral do Draft, ele foi selecionado pelo Denver Nuggets.

DENVER NUGGETS

A temporada de estreia de Carmelo Anthony só não foi melhor que a do, também calouro, LeBron James. Jogando todos os jogos (e como titular), ele teve médias de 21 pontos, 6,1 rebotes, 2,8 assistências e 1,2 roubadas de bola por jogo. Com sua ajuda, o Nuggets chegou a 43 vitórias e foi aos playoffs. No ano seguinte, as médias caíram um pouco, mas o Melo logo voltou a aparecer. Na sua terceira aparição na NBA, em 2005/06, ele teve 26,5 pontos e 4,9 rebotes. Em 2006/07 (jogando apenas 65 partidas), os 28,9 pontos e 6 rebotes fizeram com que ele se tornasse o segundo jogador mais jovem da história da liga a marcar 5.000 pontos.

Continuando sua doutrinação nos Nuggets, Carmelo teve médias de 25,7 pontos e 7,4 rebotes em 77 partidas em 2007/08. Na temporada seguinte, ele diminuiu ainda mais sua participação chegando a atuar em 66 jogos. Nesse período, porém, atingiu 22,8 pontos e 6,8 rebotes. Em 2009/10, Melo chegou a 28,2 pontos e 6,6 rebotes em 69 partidas. Foi basicamente a sua última defendendo a equipe do Colorado, já que no início do temporada seguinte, ele recusou uma extensão de contrato e exigiu uma troca para o New York Knicks.

NEW YORK KNICKS

Frustrado com as idas aos playoffs e eliminações, seja nas Finais da NBA ou antes, Carmelo Anthony quis mudar de equipe para tentar ser campeão. Especialistas apontam este como um dos principais erros da carreira dele, já que seu desempenho não impediu que os Knicks continuassem um desastre. Na temporada 2014/15, por exemplo, o time teve 10 vitórias e 43 derrotas durante a ausência do seu principal jogador por conta de uma lesão no joelho. Foi em 2014, aliás, que ele assinou um contrato de quatro anos com a franquia. Esse contrato se mostraria outro erro, pois no último ano (2016/17), Melo teve a oportunidade de jogar com James Harden ou com Derrick Rose e negou ambas.

OKLAHOMA CITY THUNDER

Após mais frustrações e, desta vez, sem nada a perder, Carmelo rumou ao Oklahoma City Thunder em 2017/18. Naquela temporada, Melo jogou 78 partidas e suas médias de 16,2 pontos e 5,8 rebotes fizeram com que, pela primeira vez, ele não liderasse sua equipe em pontos. Ao final do ciclo, depois de perder na primeira rodada dos playoffs para o Utah Jazz (2-4), os dias terríveis começaram.

OS TIMES QUE DISPUTARAM QUEM IGNORAVA MAIS O CARMELO ANTHONY

Logo que a temporada 2017/18 acabou para o Thunder, Anthony foi negociado com o Atlanta Hawks e, logo em seguida, chegou ao Houston Rockets. Por lá, ele atuou em apenas 10 partidas antes de ser novamente chutado. Em fevereiro de 2019, então, ele assinou com o Chicago Bulls, mas assim como havia sido com os Hawks, sequer foi oficialmente um atleta da franquia. Melo ficou o restante do ano sem emprego, antes de chegar ao Portland Trail Blazers.

A LUTA POR UM CONTRATO E POR RESPEITO NA NBA

Em agosto de 2019, Carmelo Anthony deu uma entrevista ao First Take, de Stephen A Smith, onde desmentiu boatos de uma despedida da NBA. Na ocasião, diziam que ele queria se aposentar e, apesar dele ter pensado nisso, não foi totalmente verdade. Melo revelou que esses pensamentos surgiram em um momento em que estava vulnerável emocionalmente, e que sua esposa o ajudou a não desistir.

Durante os 11 meses em que ficou sem contrato, Carmelo treinou, se preparou, se dedicou. Ele chegou a participar de treinos informais liderados por Kyrie Irving, já no Brooklyn Nets, mas não recebeu convite para atuar por lá. No entanto, permaneceu focado em mostrar que sua vida na NBA não havia acabado. Acostumado a fazer escolhas consideradas erradas em relação a contratos, ele decidiu que aceitaria outros papeis em outras equipes.

PORTLAND TRAIL BLAZERS

O Portland Trail Blazers foi a equipe que resolveu dar uma chance ao jogador. Liderado por Damian Lillard e com estrelas como Jusuf Nurkic, o time está na bolha da NBA e busca uma vaga nos playoffs. Em 50 partidas com a camisa dos Blazers, ele somou 15.3 pontos e 6.3 rebotes jogando como ala-pivô.

Quando foi contratado, Carmelo ficou sabendo que seria utilizado em outra posição diferente da sua habitual. Em entrevista recente à ESPN, ele revelou que emagreceu como um projeto pessoal para voltar a ser um ala. Com a ausência de peças como Trevor Ariza e retorno de Nurkic, por exemplo, a mudança se viu necessária e ele gostou. Anthony atuou como ala em toda a sua carreira em Denver, mas, desde o último ano em Nova York não desempenhava a função.

As questões que norteiam a “nova” vida de Carmelo Anthony na NBA são, principalmente, se ele se encontrou em Portland e se a “bolha” será seu palco. Durante seus 17 anos de liga, ele desempenhou um papel de “carregador de piano”, pois levou equipes limitadas e desacreditadas aos playoffs. Sendo uma máquina de pontuar e escolhendo bem seus momentos de arremessar, liderou a liga por um tempo. Fora isso, mais recentemente, o aumento de sua produção defensiva se tornou um bom indicativo de seu potencial.

PRIME MELO NA DEFESA?

Os Blazers atualmente marcam 113,6 pontos e cedem 115,2 pontos em média por partida. Levando em consideração as ausências de atletas importantes, como o Nurkic, não é difícil entender porque o time não atua tão bem na defesa. Nesse sentido, o empenho de Carmelo auxiliou a equipe em alguns momentos. De acordo com estatísticas da NBA, a porcentagem de arremesso de três dos adversários em cima dele gira em torno de 36,6%, por exemplo. Apesar de um número pouco expressivo, é uma vitória para ele, tão questionado nesse quesito. Em uma liga com grandes artilheiros é uma estatística interessante se compararmos ainda com Giannis Antetokounmpo (35,3%).

É estranho e até loucura colocar os dois atletas na mesma estatística, mas é só uma observação. É difícil saber como Carmelo Anthony irá se comportar na “bolha”, por n motivos. No entanto, é possível esperar um cara focado em dar o seu melhor por uma equipe que está 29-37 na temporada, e que busca seu lugar ao sol. Combinação perfeita? A ideia aqui é mesmo entender que ele ainda é um dos melhores jogadores da NBA e talvez seja o momento de recuperar isso.

LEIA TAMBÉM

DAMIRIS DANTAS, A ÚNICA BRASILEIRA NA WNBA

BASQUETE, COTURNOS E CANETAS: KAREEM ABDUL-JABBAR

O FUTURO DO MEMPHIS GRIZZLIES TEM NOME E ZACH RANDOLPH SABE DISSO

TODAS AS LUTAS…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.