Equipe se mudou para o Tennessee em 2001, deixando apenas o Toronto Raptors no país, e uma legião de fãs orfãos

No ano passado, o Memphis Grizzlies anunciou que utilizaria um uniforme retrô para comemorar 25 anos de existência da franquia. O mais bacana nisso é que o tal uniforme remete aos tempos modestos de Vancouver Grizzlies, onde o azul-acqua reinava no Canadá. Pegando um gancho do meu último texto publicado aqui no Área [confira aqui], trago então uma polêmica que ressurgiu após esse grande anúncio.

Já conhece o canal do Área Restritiva no Youtube? Clique e se inscreva!

Desde que o Vancouver Grizzlies se mudou para Memphis, Tennessee, os fãs canadenses fazem campanha para que a equipe retorne à casa. Mas, espera aí! A casa dos Grizzlies agora é nos Estados Unidos, mais especificamente no Fedex Field. Ah, mas quem liga? Poderiam dizer os canadenses. Para eles, o único lugar para os ursinhos é longe do solo americano. Por isso, as campanhas para um retorno se intensificaram ao longo dos anos.

QUEM QUER O VANCOUVER GRIZZLIES DE VOLTA?

Talvez os fãs mais novos do Memphis Grizzlies, como eu, queiram que a equipe permaneça onde está. Claro que há fãs mais velhos que também preferem isso. Ao mesmo tempo, fãs novos e antigos, da época de Vancouver, mobilizam a internet para que o pedido de realocação seja atendido pelo proprietário dos Grizzlies.

A pessoa que lidera o movimento #BringBackTheGrizz é a diretora Kat Jayme. Fã do Vancouver Grizzlies desde os 7 anos de idade, quando a franquia foi criada, ela é uma das principais vozes das campanhas de retorno ao Canadá. Em uma das maiores representações de seu fanatismo pelos Grizzlies ela produziu um documentário sobre o primeiro jogador do time, Bryant Reeves, intitulado Finding Big Country. Nele, além de falar sobre seu ídolo, ela quis mostrar como era incrível ter uma equipe em Vancouver e, assim, tentar chamar a atenção da NBA para mudar novamente.

Ao lado de fãs dos Grizzlies que ela conheceu durante o processo de gravação do documentário, Kat Jayme tem realizado campanhas e reuniões pela volta do time ao Canadá. A ideia é reunir quanto mais adeptos melhor, já que um retorno resgataria raízes não só da equipe como do basquete na cidade de Vancouver. Por isso, aliás, existe a campanha #NBAToVancouver, pois um time no local já seria brilhante. E, o prefeito da cidade, Fred Harding, prometeu realizar esse sonho caso fosse eleito. Risos, né?! Além dele, o Aquilini Investment Group, dono do Vancouver Canucks da NHL, revelou que houveram conversas sobre o assunto, mas não saiu disso.

Assista aqui o documentário gratuito em inglês. Também está disponível na Amazon Prime.

TALVEZ O CANADÁ AME BASQUETE TANTO QUANTO HOCKEY…

O título do Toronto Raptors pode não ter chamado tanta atenção na NBA nos Estados Unidos, mas com certeza agitou os torcedores do Canadá. Ter um time na liga americana é uma grande coisa, mas ter um time campeão? Isso é ainda mais inacreditável. Porém, pode ser uma porta para que mais times sejam criados no país ou, como querem os fãs do Vancouver Grizzlies, que uma nova velha equipe apareça por lá.

O UNIFORME, A QUADRA E A TRADIÇÃO DOS GRIZZLIES

Em agosto de 2019, antes do início da temporada 2019/20, o Memphis Grizzlies anunciou que irá utilizar uniformes inspirados no Vancouver. Na NBA, esse tipo de uniforme faz parte de uma ação do distribuidor de material esportivo e servem, em geral, para homenagear alguma coisa do passado do time ou comemorar aniversário. Eles são feitos para uso único ou por duas ou mais temporadas, ou seja, tem vida útil, o que significa que a equipe em questão não pode utilizar um uniforme retrô como principal.

O kit do Memphis Grizzlies para a temporada 19/20 é na cor azul acqua ou azul-petróleo como enxergam nos Estados Unidos (e dependendo da luz também) e tem o nome Vancouver Grizzlies estampado no peito, com o número do jogador menor em baixo e o logotipo nos shorts. O logo e os símbolos nas laterais, aliás, são uma referência aos ursos e a cultura indígena da região de British Columbia. Já o kit da próxima temporada, 2020/2021, é preto com detalhes em vermelho e o mesmo azul, além de levar o nome da cidade atual em que está localizado.

Memphis Grizzlies back to Vancouver
Uniformes do Memphis Grizzlies foram inspirados no Vancouver Grizzlies Foto: Divulgação/Memphis Grizzlies/Twitter

O primeiro jogo dos Grizzlies com a nova-velha camisa foi diante do Los Angeles Lakers. Apesar da estreia do uniforme fantástico, a equipe acabou perdendo por 109-108. Ja Morant anotou 26 pontos, deu seis assistências e teve cinco roubos de bola na ocasião.

MEMPHIS É O LUGAR DOS GRIZZLIES

É até curioso eu ter levantado uma questão sobre NBA x Canadá no texto passado e agora defender a permanência do Memphis Grizzlies nos Estados Unidos… Mas, como eu gosto de comentar e comentei no meu emocionado artigo sobre o Zach Randolph, a equipe tem uma identificação com a cidade de Memphis e com o Tennessee. Temos nossos “próprios” ídolos, fomos aos playoffs, temos nossos rivais, nosso ginásio, e, claro, nossa torcida. O povo memphiano realmente ama o time e acolheu super bem, tendo em vista que as outras equipes de outros esportes (Tennessee Titans, da NFL, e Nashville Predators, da NHL) estão localizadas na capital Nashville. E, o próprio Randolph explica o por quê dele amar o time e, sem querer, diz porque o Memphis Grizzlies pertence aos Estados Unidos.

“Esta cidade tem um relacionamento comigo. Não é o lado branco ou o lado preto, é a cidade inteira. Eles entendem a rotina. Eles já passaram por isso. É uma cidade de colarinho azul. As pessoas trabalham duro. Há pessoas boas em todos os lugares. Você trata todo mundo da mesma forma porque todo mundo tem esqueletos. ninguém é perfeito. Ninguém.”, disse Zach Randolph.

Atualmente, o Memphis Grizzlies está na oitava posição da Conferência Oeste, se preparando para retornar a jogar no próximo dia 31 de julho. Com possibilidade de playoff, nem a maior das campanhas de retorno poderia impactar na realocação ou na permanência da equipe onde está. É questão de histórico, e o nosso histórico está no Tennessee, Estados Unidos.

LEIA TAMBÉM:

NBA, O RETORNO: O QUE IMPEDE DA LIGA SE INSTALAR NO CANADÁ?

LEBRON JAMES É A VOZ MAIS PODEROSA DA NBA

PARADO SÓ OFICIALMENTE: AS MOVIMENTAÇÕES DA SEMANA NO BASQUETE NACIONAL

22 TIMES JOGAM, MAS A NBA TEM 30. A CONTA NÃO FECHA!

CARUSO: ATÉ QUE PONTO VALE A PENA SER UM MEME?

LEGALIZE KEMP: QUAL A INFLUÊNCIA DE JOGADORES DA NBA NA SOCIEDADE?