Vamos viajar na linha do tempo das contratações da NBA para ver quais brasileiros passaram por lá.

Ter um brasileiro entrando em quadra na NBA é um momento muito esperado, quando um brasileiro veste uma camisa da NBA existe um sentimento incrível de representatividade, afinal ele representa o Brasil, ele representa você que é fã daquele esporte ou que joga aquele esporte, sem falar que para quem joga fica um sentimento de eu também consigo.

Então resolvemos trazer para você todos os jogadores brasileiros que já atuaram na NBA e para essa publicação nos baseamos em uma lista montada pelo site Basketball Reference, que infelizmente não parece estar tão certa assim. Pode ficar tranquilo, nós vamos trazer as informações completas para você aqui.

Rolando Ferreira, o desbravador da NBA

O primeiro nome a pisar em uma partida oficial da NBA, Rolando Ferreira foi draftado em 1988, fazendo sua estreia na temporada 1988/89 da liga, ele defendeu o Portland Trail Blazers a mesma franquia que selecionou o brasileiro na posição de número 26 da segunda rodada.

O Pivô BR, jogou somente uma temporada na liga, entrando em quadra em 12 oportunidades, com média de 2,8 minutos por partida.

Rolando foi draftado pelo Blazers no dia 28 de junho de 1998 e dispensado pela franquia no dia 30 de outubro de 1989.

Na foto, Rolando Ferreira segurando uma camisa do Portland Trail Blazers com o seu nome e número. Brasileiros na NBA? Quem já jogou na liga! - Área Restritiva
O Brasileiro confessou não ter nenhuma camisa dele no Portland Trail Blazers, então a franquia enviou uma camisa para a casa do jogador. Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal

O Brasil leva Pipoka para os Estados Unidos

O segundo brasileiro a ir para a NBA é um jogador que de sua geração era bem conhecido no Brasil, mas não pelo nome e sim pelo apelido. Pipoka, penta campeão brasileiro e com quatro Copas do Mundo de Basquete no currículo, foi uma contratação do Dallas Mavericks, sim o Mavs convidou o brasileiro para a NBA.

João ‘Pipoka’ Vianna foi o primeiro brasileiro a assinar um contrato diretamente com uma franquia da NBA, diferente de seu antecessor ele não passou pelo Draft da liga. O contrato foi assinado no dia 02 de Outubro de 1991, sua partida de estréia aconteceu no dia 01 de Novembro do mesmo ano.

Mas o segundo brasileiro teve menos sorte do que o primeiro, jogou somente a sua partida de estréia e realmente não teve sorte. O Dallas Mavericks perdeu para o San Antonio Spurs por 140 à 99. Pipoka fez dois pontos e deu duas assistências em seus 9,0 minutos em quadra.

O brasileiro foi dispensado no dia 12 de novembro do mesmo ano.

Na foto, um recorde de jornal com a foto do Brasileiro Pipoka que jogou na NBA. Na foto, Rolando Ferreira segurando uma camisa do Portland Trail Blazers com o seu nome e número. Brasileiros na NBA? Quem já jogou na liga! - Área Restritiva
Um registro publicado pelo perfil na Era do Garrafão no Twitter, na foto de um jornal, o Pipoka em quadra na NBA. Foto: Reprodução

O Brasil de volta na NBA, mas quem é Maybyner Hilário?

O brasileiro é um povo carinhoso e que gosta de proximidade, não por menos os nosso apelidos acabam dando lugar aos nossos nomes e no caso do esporte, vão para os uniformes dos jogadores. Mais de uma década depois, o Brasil volta para a NBA, com o Maybyner Hilário, que aqui era conhecido como Nenê.

Nenê Hilário, que teve que colocar o apelido no nome para poder usar o nome na camisa, foi draftado pelo New York Knicks na sétima escolha da primeira rodada, sendo trocado com o Denver Nuggets ainda na noite do Draft de 2002, tem uma das carreiras de maior longevidade da história da liga, com 18 anos jogando na NBA.

Passou por quatro franquias apesar de não ter disputado nenhuma partida pela ultima, Denver Nuggets, Washington Wizards, Houston Rockets e Atlanta Hawks (dispensado pela franquia depois da troca com o Rockets).

Nenê, jogou 965 partidas, com médias de 11,3 pontos, 6,0 rebotes, 1,8 assistências e 26,2 minutos por partida.

Leia mais sobre a carreira de Nenê aqui, separamos alguns números do jogador na NBA.

O melhor amigo de Gregg Popovich, Brabo Alex

O multi-campeão do NBB, um dos melhores defensores do Basquete Brasileiro, Alex Garcia também já jogou na NBA e isso pouca gente sabe. A carreira do brasileiro na NBA virou manchete quando na Copa do Mundo de Basquete na China em 2019, Alex parou para conversar com o técnico da seleção dos Estados Unidos, Gregg Popovich.

O Brabo chegou na NBA assinando com o San Antonio Spurs (daqui vem a amizade dele com o Pop), sua estreia foi no dia 5 de janeiro de 2004. Mas Alex não conseguiu espaço jogando só duas partidas no Spurs sendo liberado em junho de 2004 e contratado pelo New Orleans Hornets ainda em junho e ficando por lá até dezembro de 2004.

As medias do Brabo Alex foram de 4,7 pontos por partida 1,5 rebotes e 1,8 assistências em 15,9 minutos por partida. Ao todo foram 10 jogos disputados na NBA 8 pelo New Orleans e 2 pelo San Antonio Spurs.

Na foto, Alex Garcia jogando pelo San Antonio Spurs na NBA. Brasileiros na NBA? Quem já jogou na liga! - Área Restritiva
Foto: Divulgação/NBAE

Leandro Barbosa foi de bicicleta para a NBA

Talvez essa seja uma das histórias mais famosas do Brasileiros na NBA, o dia em que o Leandrinho teve sua bicicleta “roubada” na NBA. Leandro Barbosa chegou na NBA também em 2004, mas diferente do Alex ele foi contratado via Draft.

O Brazilian Blur foi selecionado na escolha de número 28 da primeira rodada pelo San Antonio Spurs e enviado para o Phoenix Suns, passando por algumas franquias diferentes da NBA, como o Toronto Raptors, Indiana Pacers, Boston Celtics e Golden State Warriors, com sua ultima passagem na NBA novamente em Phoenix.

Leandrinho é um dos brasileiros campeões da NBA, com o Golden State Warriors em 2014/15, sexto homem da NBA na temporada 2006/07. Além de ser o único brasileiro que já participou de uma competição de habilidades no NBA All-Star Game, ele participou do Shooting Star Competition, junto de Dan Majerle e Tangela Smith, no jogo das estrelas da liga que aconteceu em Phoenix em 2009.

As médias do Brasileiro são de 10,6 pontos, 2,0 rebotes e 2,1 assistências por partida em 21,6 minutos de média. Entrou em quadra em 850 oportunidades.

Um Bust? Rafael Araújo do College para a liga.

Rafael ‘Bábby’ Araújo é um jogador que chegou na NBA por draft, mas que diferente de seus antecessores esse aqui já bebia da mesma água que os gringos. Bábby estudou nos Estados Unidos, defendendo as cores da BYU.

O Pivô brasileiro era uma das promessas da NBA, selecionado pelo Toronto Raptors em 2004 na oitava escolha da primeira rodada. Ele que no College pela BYU tinha médias de 15,1 na carreira, sendo que no seu segundo e ultimo ano ele teve médias 18,4 pontos em 29,8 minutos por partida, na NBA não foi a mesma coisa.

Bábby jogou três temporadas na liga, as duas primeiras no Raptors e a ultima no Utah Jazz. No Raptors em seu primeiro ano 59 partidas, dessas 41 como titular, as médias foram de 3,3 pontos em seu primeiro ano e 2,3 no segundo ano, no Jazz não muito diferente, 2,6 pontos de média em 28 partidas disputadas.

Alguns sites norte-americanos colocam o brasileiro na lista dos piores jogadores que já atuaram na história da NBA.

Na foto, Rafael Bábby Araújo em partida do Toronto Raptors, tentando bloquear um arremesso de Kobe Bryant. Brasileiros na NBA? Quem já jogou na liga! - Área Restritiva
Foto: Divulgação/NBAE

Anderson Varejão – The Wild Thing is Comming

Anderson Varejão, chegou na NBA para se tornar sensação, até hoje nenhum brasileiro conseguiu o que o capixaba fez e não estou falando de ser um dos poucos jogadores que LeBron James elogiou e disse que é um dos melhores profissionais com quem já atuou, Varejão é o único brasileiro que teve uma noite temática na história da NBA.

Do mesmo jeito que Barbas são entregues aos torcedores nos ginásios da NBA, Cleveland fez a Wild Night, que era um dia onde os fãs recebiam perucas imitando o cabelo de Anderson Varejão e até um boneco do jogador era vendido em Ohio, sim esse feito tem que ser exaltado, porque um brasileiro virou garoto propaganda na NBA.

Anderson Varejão foi draftado pelo Cleveland Cavaliers em uma escolha que era do Orlando Magic, foi a ultima escolha do Draft de 2004, jogou no Cavs até a temporada 2015/16 indo para o Warriors jogando por duas temporadas lá, se tornando o único jogador da história da NBA a defender duas franquias diferentes durante os Playoffs da NBA.

Falando da carreira de Varejão, talvez ele tenha tido uma das carreiras mais complicadas da NBA, não pelos números e atuações ele é ídolo em Cleveland, mas sim pelos problemas de saúde dos mais diversos, entre lesões e até uma embolia pulmonar, Anderson Varejão chegou a ser cotado para o NBA All-Star Game (leia aqui), mas lesões o tiraram da votação para a semana das estrelas da NBA.

Os números de varejão falam por ele, defendeu duas franquias da NBA, sendo campeão pelo Golden State Warriors em 2016/17. Suas médias na carreira são de 7,3 pontos, 7,2 rebotes e 1,2 assistências em 24,0 minutos por partida, ele disputou 627 jogos em 14 temporadas na NBA.

Marcus Vinicius, ele um dia disse sim para a NBA

Marcus Vinicius, no Brasil é conhecido como Marquinhos, sim o Ala do Flamengo já pisou na NBA. Chegou na liga em 2006 sendo draftado na segunda rodada daquele ano.

O Marquinhos chegou na NBA como um dos grandes jogadores em sua posição, mas a ansiedade por jogar fez com que o jogador não conseguisse jogar como jogava, inclusive segundo o próprio jogador ele apresentou um quadro de depressão e pensou em se aposentar depois da NBA.

Mas o Marquinhos reencontrou o seu amor pelo Basquete no Brasil e hoje garante a felicidade da torcida rubro-negra carioca.

O caminho dele na NBA ficou meio bagunçado, ele chegou na NBA em meio a mudanças de franquias o New Orleans que quase foi o Oklahoma City, foram duas temporadas 13 jogos em cada uma delas, com as médias na carreira de 1,9 pontos, 0,7 rebotes e 0,3 assistências em 6,6 minutos jogados.

Na foto, Marquinhos quando defendia o New Orleans Hornets na NBA. Brasileiros na NBA? Quem já jogou na liga! - Área Restritiva
Foto: Divulgação/NBAE

Tiago Splitter. O primeiro campeão!

Tiago Splitter chegou na NBA na temporada 2010/11, mas o seu draft foi o de 2007. O jogador que foi a escolha de número 28 na primeira rodada daquele draft, escolheu continuar na Europa, o motivo? Queria chegar na NBA mais maduro para se firmar na liga e realmente deu certo.

Splitter tem 7 anos de experiência na NBA, jogou por lá dos 26 aos 32 anos, começando no Spurs e logo foi campeão pela franquia comandada pelo Gregg Popovich, enquanto LeBron James e Michael Jordan levaram quase uma década para o primeiro título, Splitter levou três temporadas, campeão em 2014.

Mas a temporada 2012/13, chama muito a atenção a melhor dele na NBA, não só pelas médias individuais de pontos, com 10,3 (maior da carreira), mas ele era Top-10 da NBA em porcentagem de aproveitamento de Field Goal (sétimo geral), aproveitamento de dois pontos (oitavo geral), eficiência de Field Goal (nono geral), Relação vitórias em tempo de jogo (oitavo geral).

Suas médias na carreira foram de 7,9 pontos, 5,0 rebotes e 1,2 assistências em 19,2 minutos por partida, em 355 jogos disputados na NBA. O Brasileiro jogou em mais duas franquias além do Spurs, defendendo o Atlanta Hawks e o Philadelphia 76ers, hoje ele é membro da comissão técnica do Brooklyn Nets.

Fab Melo: Reprovado na Faculdade, mas aprovado na NBA

Fabricio Melo, foi um brasileiro que seguiu o caminho “normal” do NBA draft, jogou a NCAA, se inscreveu no draft e pronto. Mas não foi tão simples assim.

O brasileiro que vestiu as cores da Syracuse University, ficou famoso mundo a fora por conta das suas notas na faculdade. Isso mesmo, o pivô que era um dos melhores defensores da NCAA em sua posição, foi impedido de jogar o March Madness porque havia reprovado em algumas disciplinas e isso acabou encurtando a carreira do jogador na universidade.

O jogador foi escolhido na vigésima segunda escolha do draft de 2012, atuando junto de Leandro Barbosa no Boston Celtics. Inclusive aquela temporada trouxe cerca de dois minutos de felicidade para os brasileiros, porque pela primeira vez na história dois jogadores brasileiros entraram em quadra ao mesmo tempo pela mesma franquia, em uma partida da liga.

No Celtics ele jogou 6 partidas, com 1,2 pontos de média, 0,5 rebotes em 6,0 minutos de média, mas ele passou por diversas franquias da NBA, virando moeda de troca e sem conseguir atuar, inclusive no Dallas Mavericks ele teve que usar uma plaquinha de identificação no Media Day porque ninguém conhecia o jogador.

Vítor Faverani: Ele é um MONSTRO!

Vítor Faverani, é um dos grandes nomes brasileiros no Basquete Europeu, então porque não tentar a NBA. Bom, a idéia é boa, mas a experiência não foi tão boa assim.

Faverani assinou um contrato com o Boston Celtics, ficando uma temporada na franquia, mas jogando a maior parte do tempo na NBA G-League, no Celtics foram 37 partidas disputadas, com médias de 4,4 pontos e 3,5 rebotes, em 13,2 minutos de média.

O que atrapalhou o brasileiro foi uma lesão, o jogador vinha ganhando espaço e a mídia aos poucos, mas sofreu uma lesão no menisco do joelho esquerdo, até então, o brasileiro que foi chamado de monstro pelo Bleacher Report e comparado ao Marc Gasol acabou sendo liberado depois das mudanças nos rumos da franquia naquele período.

A NBA conheceu o porteiraço do ENEM

Lucas Nogueira, para os brasileiros é o Lucas Bebê, para o Rômulo Mendonça dos canais ESPN ele é o porteiraço do ENEM. O brasileiro chegou na NBA via draft virando meme na noite da loteria, pelo black power e boné. A décima sexta escolha daquele ano feita pelo Boston Celtics.

“Logo” foi trocado pelo Celtics com o Raptors, uma troca que envolveu o Dallas Mavericks e o Atlanta Hawks e que demorou 4 dias para ser concretizada, colocou o brasileiro em Toronto onde permaneceu entre as 2014/15 e 2017/18, indo e voltando da NBA e da NBA G-League.

As médias da carreira de Bebê são de 3,2 pontos por partida e 2,8 rebotes, em 8,5 minutos em quadra.

Bruno Caboclo, The Brazilian KD

O Bruno Caboclo é um dos brasileiros que divide opiniões quanto ao seu jogo na NBA, mas que se mantém no radar da liga desde antes de chegar na NBA.

Houve um tempo em que algumas franquias estavam procurando jogadores com potenciais físicos parecidos com os de Kevin Durant e daí vem o apelido de Bruno Caboclo, The Brazilian Kevin Durant. O brasileiro tem sua envergadura maior do que sua altura, ou seja, de uma mão até a outra ele é maior do que dos pés até a cabeça.

Atualmente defende o Houston Rockets e pode ser a chance brasileira de título na liga, mas Caboclo já passou por quatro franquais da NBA em seus oito anos na liga, além do Raptors e do Rockets, ele já defendeu o Sacramento Kings e o Memphis Grizzlies.

O brasileiro também acumula passagens por franquias da NBA G-League em especial o Toronto 905 onde foi campeão da NBA G-League em 2016/17, ao lado de Pascal Siakam e Fred VanVleet.

Os números na carreira de Caboclo são 4,2 pontos e 2,6 rebotes em 12,8 minutos de média por partida.

https://www.youtube.com/watch?v=QWN7B2znj38

Todo mundo sonha em jogar na NBA, Marcelinho Huertas também sonhava

Todo jogador de Basquete já pensou em jogar na NBA em algum momento de sua vida, com Marcelinho Huertas não seria diferente, campeão de tudo na Europa, decidiu receber menos do que sua ultima proposta depois do Barcelona para realizar um sonho, jogar na NBA e no time do coração LA Lakers.

O brasileiro chegou na NBA com 32 anos e jogou ao lado de Kobe Bryant por duas temporadas (2015/16 e 2016/17), o problema é que Huertas estava no Lakers na hora errada, era um período de reconstrução da franquia, aquele momento em que perder era mais importante do que ganhar.

Nas duas temporadas as médias do veterano europeu foram de 3,9 pontos, 1,5 rebotes e 3,1 assistências por partida em 14,6 minutos jogados.

Raul Neto, o Brasileiro que corresponde

Raul Neto, ou Raulzinho, foi draftado pelo Utah Jazz via Atlanta Hawks no NBA draft de 2013, hoje está em seu primeiro ano no Philadelphia 76ers e quando pensamos no armador, podemos dizer que ele corresponde dentro de quadra.

O brasileiro que em sua primeira temporada foi titular do Utah Jazz hoje podemos dizer que é um reserva de luxo, sempre questionam se ele aguenta ou não jogar na NBA, mas o jogador sempre quando entra em quadra tem entregado o que está lá para fazer e suas atuações na temporada 2019/20 pelo 76ers são prova viva disso.

Talvez a pedra no sapato do brasileiro seja os jogadores que disputam posição com ele, Donovan Mitchell no Jazz e Ben Simmons no 76ers, quem vai querer tirar a bola da mão do Franchise que por mais que tenha características diferentes joga na mesma posição que o Raulzinho?

Até aqui em sua carreira ele tem médias de 4,7 pontos por partida, 1,3 rebotes e 1,8 assistências em 13,6 minutos de média.

Cristiano Felício. The Brazilian Beast

“Fechando a nossa lista” temos o Cristiano Felício do Chicago Bulls, foi convidado para treinar e ficou por lá. Está no Bulls desde a temporada 2015/16, com diversas passagens pela NBA G-League o brasileiro é um dos poucos jogadores que se mantém na franquia em meio ao Rebuild do Bulls, mas não sabemos até quando.

Felício ganhou o apelido de Brazilian Beast pela força física que tem, sendo um os poucos pivôs em atuação com as características dos pivôs que brigam por espaço dentro do garrafão, um pivô clássico. Mas divide opiniões entre os fãs da NBA.

Até aqui Felício tem médias de 4,5 pontos e 4,1 rebotes, em 14,8 minutos em quadra.

Os brasileiros esquecidos nessa lista

Alguns nomes que estão frescos na memória dos brasileiros foram deixados de lado na lista do Basketball Reference, mas estamos aqui para lembrar vocês.

O mais recente deles e que se tornou o senhor triplo-duplo do NBB é o George de Paula, ou Georginho. O brasileiro que estava defendendo o São Paulo FC até o cancelamento do NBB devido a pandemia do Covid-19, foi contratado pelo Houston Rockets e enviado para o Rio Grand Valley Vipers, tudo isso aconteceu na temporada 2017/18.

Outro nome que jogou na NBA e é brasileiro, inclusive servindo a seleção brasileira é o Scott Machado. O Brasileiro que vive nos EUA, jogou a NCAA pela IONA University, se inscreveu no mesmo Draft que o FAB Melo mas não conseguiu espaço, jogou a NBA Summer League e assinou com o Houston Rockets em 2012.

Passou por diversas franquias da NBA e da NBA G-League com sua ultima aparição em um jogo da NBA acontecendo pelo Los Angeles Lakers, na ultima temporada o brasileiro jogou a NBL e inclusive estava na corrida para MVP da competição australiana de Basquete.

Um desses nomes que poucos lembram mas que atuou na NBA foi o Lucas Tischer, o jogando que tem passagens por alguns times do NBB, foi contratado pelo Phoenix Suns em 2005 depois de ter jogado a NBA Summer League.

Quem quase pisou na NBA

Existem alguns nomes que quase jogaram na NBA, jogadores que são convocados para Draft Combine, se inscrevem no Draft e tiram o nome para testar o mercado da NBA ou para simplesmente são convidados para treinar com franquias da liga.

Lucas Dias, Humberto Gomes e Yago Mateus, já inscreveram e tiraram o nome do NBA Draft. Lucas Dias já foi treinar na IMG Academy e Yago foi o ultimo brasileiro a participar do Nike Hoop Summit.

Existem também os brasileiros que entram no radar da liga e participam do NBA Basketball Without Borders, como Léo Colimério e outros jogadores. Rafael Hettsheimeir e Alexandre Paranhos já participaram de sessões de treino na NBA e Augusto Lima, JP Batista e Jonathan Tavernari já participaram da NBA Summer League.

O Marquinhos, aquele mesmo do Flamengo e que já jogou na NBA, chamou a atenção do Dallas Mavericks e do New Orleans Pelicans mas segundo o jogador, ele recusou as propostas.

Paulão Prestes, teve um contrato com o Minnesota Timberwolves mas não defendeu a franquia da NBA.

Menção Honrosa. Brasileiros impedidos de jogar na NBA

Existem dois nomes na história que poderiam ter jogado na NBA mas não jogaram, um deles inclusive é Hall da Fama sem nunca ter pisado na NBA.

O primeiro deles é o Carmo de Souza, o Rosa Branca, que tem histórias de convites para jogar na NBA e Harlem Globetrotters, histórias que merecem uma investigação maior para contar as nuances do que aconteceu. Mas o que as pessoas que conheciam o jogador contam é que ele não pode jogar por conta do contrato que tinha com uma equipe de São Paulo.

Mas ainda assim não existe exatidão sobre a história ser NBA ou Globetrotters, mesmo assim merece menção nesse texto.

O segundo deles é o Oscar Schmidt que é membro do Naismith Memorial Basketball Hall of Fame, Oscar foi Draftado pelo New Jersey Nets em 1984, mas se recusou a jogar para poder defender a seleção brasileira, naquele período quem jogasse na NBA era considerado jogador profissional e não poderia jogar as competições da FIBA.

Mesmo assim, Oscar foi homenageado pelo Nets que agora é Brooklyn, o ‘Mão Santa’ recebeu uma homenagem em partida do Nets na temporada regular, teve suas camisas a venda naquele ano e ainda participou do NBA All-Star Game, sem nunca ter jogado na NBA.

Iai ficou algum jogador de fora dessa lista? Tem algum nome que você lembrou? Deixa aqui nos comentários.

Leia mais sobre a NBA, temos uma seleção de textos para você.

O Área Restritiva está no YouTube, conheça o nosso canal. Vídeos três vezes por semana.

Fiquem por dentro do que está acontecendo no Área em nossas redes sociais, marcamos presença no FacebookInstagram e no Twitter.