O Área, acompanha o que acontece nas pesquisas sobre o Basquetebol e trás esses estudos para você. Hoje a análise do campeonato paulista de Basquete Feminino de 2002, conduzida pelo professor Dante de Rose Jr.

Na verdade esse trabalho tem três autores, além do professor Dante, também assinam a pesquisa Alexandre Barros Gaspar e Rafael Marcos de Assumpção.

Analise Estatística do Campeonato Paulista de Basquetebol Feminino – 2002, Resumo:

Neste artigo analisaremos os dados estatísticos do Campeonato Feminino de 2002 considerando algumas variáveis como “mando de jogo”, “equipes vencedoras e perdedoras”.

O campeonato foi disputado por seis equipes e pode ser considerado um campeonato atípico, pois mandantes e visitantes obtiveram, na fase de classificação, o mesmo número de vitórias (15, 50%). Nos estudos realizados internacional e nacionalmente os mandantes têm vencido cerca de 65% dos jogos, demonstrando uma superioridade marcante sobre os visitantes, fato que não ocorreu no feminino em 2002.

Alguns fatores poderiam explicar essa situação circunstancial: a grande diferença técnica entre as equipes e a superioridade marcante dos favoritos em relação aos demais participantes.

A diferença técnica ficou evidente pelo número de jogos com diferenças acima de 20 pontos (jogos muito desequilibrados) no seu resultado final – 14, enquanto que 13 jogos foram decididos por resultados com diferenças abaixo de 10 pontos (jogos equilibrados).

Os dados gerais dos indicadores de jogo, como também os relacionados ao fator “mando de jogo” são demonstrados na tabela 1.

Questões pertinentes a análise

As equipes mandantes são mais eficazes defensivamente, porém as equipes visitantes são mais eficazes ofensivamente, ou simplesmente tentam concluir uma ação ofensiva menos vezes, assim tendo um número menor de possíveis pontos, aumentando os índices de aproveitamento de pontos.

Em contra partida as equipes mandantes talvez sejam mais ousadas, criando maiores oportunidades tendo um maior volume de jogo, o que não quer dizer que sejam mais eficazes, mas mesmo assim criam mais possibilidades.

A ousadia dos mandantes também pode ser identificada através do maior número de assistências e tentativas de 2 pontos.

Agora outro fator curioso é que provavelmente os mandantes são ousados ofensivamente, mas defensivamente não.
Porque provavelmente devem marcar por sistemas defensivos mistos e/ou zona já que os visitantes tem um maior número de cesta de 3 pontos o que remete a esse tipo de marcação.

Uma questão levantada através da leitura das estatísticas apresentadas é que os mandantes podem ter se aproveitado dos contra-ataques, mas possivelmente esses foram mal concluídos, já que os mandantes tem maiores resultados nos índices de rebotes defensivos, bolas perdidas e bolas recuperadas.

Como eu disse esse trabalho foi publicado no site da FPB, mas não sei se ainda está lá, pelo menos esse é um dos trabalhos que recebi por e-mail do professor Dr. de Rose Jr.

Escrito por:

Prof. Dr. Dante de Rose Jr.
Prof. Alexandre Barros Gaspar (Não sei a titularidade deste profissional)
Prof. Rafael Marcos de Assumpção (Não sei a titularidade deste profissional)

Quem quiser o trabalho na integra pode baixar por aqui.
DE ROSE JR; CASPAR; ASSUMPÇÃO – Analise Estatística do Campeonato Paulista de Basquetebol Feminino – 2002

Conheça outras pesquisas e análises científicas, aqui!

O Área Restritiva está no YouTube, conheça o nosso canal. Vídeos três vezes por semana.

Fique por dentro do que está acontecendo no Área em nossas redes sociais, marcamos presença no FacebookInstagram e no Twitter.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.